Enólogos da Vêneto Mercantil visitam setor vinícola na Itália

Enólogos conhecem vinícolas italianas.

compartilhar

Os enólogos da Vêneto Mercantil, Laércio Spadari, Neuri Bruschi e Franco Francescatto, estiveram participando por 10 dias de uma viagem técnica à Itália. Organizada pela Associação Brasileira de Enologia (ABE), a missão teve o propósito de buscar informações sobre espumantes, visando a produção nacional e conhecimento sobre a análise sensorial.

O programa levou vinte enólogos para uma imersão no mundo do vinho em diferentes regiões do norte da Itália: Piemonte, Lombardia, Trentino, Vêneto, Barolo, Franciacorta, Trento Doc e Prosecco. Nos destinos, eles puderam analisar aspectos técnicos da produção de uvas, de elaboração de vinhos, além das estratégias de marketing e posicionamento de mercado das empresas elaboradoras de vinhos e espumantes e das regiões de denominação de origem. O enólogo e diretor da Vêneto Mercantil, Franco Francescatto, observou que a tecnologia que se emprega dentro das empresas está muito próxima da encontrada no Brasil. “O grande diferencial foi percebido no cultivo das videiras. A sinergia entre os setores privado e público e as instituições de pesquisa resulta em um ambiente produtivo favorável ao cultivo de uvas de ótima qualidade, com custos de manejo e de mão de obra reduzidos”, analisa.

O grupo de enólogos participou também de um curso no Instituto Agrário San Michele. Para eles, foi uma experiência gratificante que conseguiu criar uma aproximação com as tecnologias e pesquisas internacionais, abrangendo uma ampla lista de temas, envolvendo todos os integrantes da cadeia produtiva do vinho: o solo, o clima, a tecnologia e o homem. “É um instituo que recebe estudantes de diversas partes do mundo e que nos exemplifica muito do caminho que podemos continuar construindo aqui no Brasil”, ressalta Francescatto.

O roteiro incluiu ainda um curso ministrado pela FISAR sobre degustação de barolos e vinhos elaborados com uvas de viticultura de montanha e visitas a outras empresas, como indústrias de Grappa, cervejarias e fornecedoras de equipamentos e insumos, entre elas a Perdomini-IOC, representada no Brasil pela Vêneto Mercantil.

O enólogo elogiou ainda a organização do roteiro focado no aspecto técnico, que passou por empresas vitivinícolas e instituições de ensino e pesquisa.